As casas de apostas facilitam de todas as maneiras a abertura de contas e o envio de recursos por parte de seus clientes. No entanto, o caminho de volta desse dinheiro, multiplicado com o ganho com pelo acerto nos palpites, não tem o mesmo benefício. Problemas com saque são registrados com alguma frequência. Ainda que nem sempre são causados pelo site de jogos online.

Veja nosso ranking de casas de apostas

A dificuldade maior apresentada para a realização desse processo tem algumas explicações. Os problemas podem ser motivados pela legislação ou mesmo pela falta de conhecimento por parte dos usuários das regras estabelecidas para o processo de saque. Mas, em boa parte das vezes, trata-se uma estratégia elaborada pelos sites de jogos online para evitar a saída de recursos que poderiam ser aplicados em novas apostas.

Opções de depósito são maiores que as de saque

O primeiro obstáculo que as casas oferecem na hora de permitir que os clientes consigam embolsar seus lucros é o número de opções apresentadas para que a transação seja realizada. Invariavelmente elas são menores que número de opções oferecidas para depósito.

Em algumas situações, há motivos para isso. É o caso do boleto bancário, por exemplo. Ele é um modo de depósito presente no cardápio de opções de praticamente todas as casas de apostas que buscam por clientes brasileiros. Mas não figura entre as opções de saque. Faz sentido. Afinal, para que ela estivesse disponível para essa finalidade, caberia ao cliente emitir o boleto, processo que requer alguma burocracia, parceria com instituições financeiras e, naturalmente, custos.

Conheça os métodos de depósito oferecidos pelas casas de apostas!

Esse item acaba sendo uma exceção na lista de problemas com saque. Na maioria das vezes, o número menor de opções para retiradas faz parte de uma estratégia de algumas casas de apostas para dificultar e retardar a saída do dinheiro. Assim, o valor fica disponível por mais tempo na conta abrindo a chance de que o usuário dispare palpites nos quais não apenas estão embutidos a margem de lucro para as empresas como também a possibilidade de perda das apostas.

Falta de conhecimento das regras atrasa operação

É por isso que um dos principais itens que devem receber atenção na análise antes de se firmar uma parceria entre apostador e site de jogos online é a quantidade de opções de retirada disponíveis, mas não só isso.  O prazo para a concretização das operações e o valor cobrado por elas também devem ser considerados. Algumas casas de apostas não cobram tarifa para depósito, mas impõem condições para saque como a cobrança de taxas ou até mesmo estabelecendo um valor mínimo para retirada muito acima do que é solicitado na hora do envio de fundos.

Ao clicar aceito nos termos e condições na hora da abertura da conta, o que marca o início da interação entre apostador e site de jogos online, o cliente dá seu sim para todas essas regras. Assim, não há como prestar queixa depois.

A falta de conhecimento das normas é um dos principais fatores que dificultam os saques. Pedir retiradas com valores abaixo do estabelecido ou por métodos incompatíveis com a realização do depósito são alguns dos mais comuns motivos para que a solicitação seja rejeitada.

Isso, naturalmente, pode ser ajustado posteriormente e o dinheiro finalmente sacado. Todavia, esse processo muitas vezes inclui consulta aos atendentes e nova tentativa de retirada. O que acaba atrasando o processo.

Regras financeiras também criam obstáculo

No caso citado acima, tal desconhecimento deve ser ‘colocado na conta’ dos apostadores. Outro problema bastante frequente é de responsabilidade das agências encarregadas de fiscalizar as transações financeiras e também das casas de apostas.

Para que o saque seja processado, independentemente do método escolhido, o apostador precisa ser identificado. Isso significa que ele terá que enviar para a casa de apostas a cópia de um documento com foto e também um comprovante de residência, uma vez que as regras para transações financeiras são diferentes em cada país.

Conhecimento das regras para saque evita atrasos no procedimento

Os sites de jogos online nem sempre deixam clara essa necessidade na hora da realização do registro. Elas figuram, naturalmente, no documento de termos e condições, mas são raros os usuários que leem as dezenas de páginas com regras antes de concretizar sua inscrição.

Assim, só vão conhecer essa exigência na hora em que pedem o saque. Isso acaba retardando o processo, pois requer o envio de documentos de identidade e comprovantes de residência atualizados e, na sequência, que a casa faça uma avaliação deles. Só depois disso a retirada é autorizada. A duração desse processo depende da capacidade de atendimento do site na avaliação da documentação.

Erros de cadastro também retardam procedimento

Há outro problema causado pela falta de uma explicação mais clara na hora da criação de contas. Os usuários que desconhecem essa regra muitas vezes não preenchem dados como endereço e número do documento de identificação de forma correta.

Na hora do saque, se não houver coincidência entre essas informações com aquelas que estão nos documentos enviados, mais um atraso é registrado para que os dados pessoais sejam atualizados. Geralmente tal operação também precisa da intervenção dos atendentes do site de jogos online.

Suspeitas também geram atraso ou interrupção no processo de saque

Menos comum que os anteriores, mas também parte da lista de motivos que atrasam ou mesmo interrompem o processo de saque, estão suspeitas do uso irregular da conta ou mesmo de obtenção de ganhos fora das normas. Nesse caso, a casa de apostas simplesmente congela os fundos, interrompe a atividade da conta e abre um processo de investigação interno. O usuário, geralmente, é convidado a se pronunciar esclarecendo possíveis dúvidas.

Cada site de jogos online tem suas próprias regras para essas circunstâncias. Elas dependem não apenas da forma como a casa de aposta trata seus clientes, mas também da legislação em vigor no país onde a empresa conseguiu licença para atuar. Um dos itens presentes em praticamente todos os contratos de termos e condições estabelecidos pelas empresas do ramo é de que a decisão tomada por ela é final de não cabe recurso.

Reclamações em órgãos brasileiros são irrelevantes

Isso não é necessariamente verdadeiro. Para que obtenham a licença para colocar seus serviços online, as casas precisam cumprir as regras estabelecidas. Entre elas está a fiscalização de órgãos específicos que devem verificar se está tratando seus clientes com justiça.

Leia os termos e condições antes de inscrever-se em um site de apostas!

Essas entidades são a última instância para recurso. Assim, é preciso descobrir qual o canal elas oferecem para queixas e enviar comunicação relatando o que houve de errado na hora de sacar os fundos a que se tem direito. Nesse caso, o processo é ainda mais longo e segue as regras estabelecidas pelo órgão.

Prestar queixas em entidades de defesa do consumidor no Brasil como o Procon, por exemplo, não tem qualquer efeito. Como as casas de jogos online são proibidas de atuar no país, elas não têm obrigação de responder a qualquer entidade nacional.